segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

As frases dos outros - Chefe de família...mas pouco

«Quando penso nele, em casar com ele, vejo isso. Tem valores semelhantes os meus. É o meu ideal de marido. Tenho a certeza que vai ser bom pai, bom chefe de família.
-Chefe de família? - interferi eu, exaltada - Fico doente quando oiço uma frase dessas. Estamos num século XXI. Queres ser mandada? Queres ter um homem que mande em ti? - perguntei.
- Já te disse e volto a dizer - insistiu. - Acho que todas as famílias devem ter um chefe. E que esse é o papel do homem. Mas a mulher acaba sempre por mandar. São as que têm medo as que ficam irritadas com essa conversa.»

Não vale a pena fazer grandes comentários, pois não? Mais uma pérola, desta vez no feminino. E, mais uma vez, vinda de uma pessoa, neste caso uma mulher, que respeito. E que, acredito firmemente, nunca será mandada. Nem chefiada. Porquê, então, a necessidade de ter um «chefe de família»? Não deveríamos querer igualdade? Não deverão, marido e mulher, pai e mãe, ter um papel igualitário no seio da relação/família?

Estamos no século XXI. E ainda há mulheres, na casa dos vinte, com cursos superiores e futuro profissional assegurado, que querem ter um «chefe de família.» Só a frase provoca-me arrepios na espinha associados a uma náusea forte. É esta formação de conceitos, de clichés, que tem que ser ultrapassada. E urgentemente.

Que queimar desta feita, então? Estou sem propostas. Na verdade, estou assoberbada, quase sem palavras. Prestes a converter-me ao mudismo. Uma frase extremamente machista, proferida por uma mulher, e que ainda tem em si a questão das chefias e das hierarquias. Na família. Chefia na familia? É um conceito que me ultrapassa.

Bom, talvez queimar qualquer coisa que esteja ao fogão. Porque, pelos vistos, voltámos para a cozinha. Se é que de alguma vez de lá saímos. Back to the perfect housewife theme. Mas desta feita, à obrigação de ser a mulher perfeita, ter a casa perfeita, com os filhos perfeitos, junte-se a necessidade de uma carreira. Ou caberá, ainda, ao homem, o papel de sustentar a família? Será que, como chefe, ainda tem esse dever? Tendo ou não, pelos vistos, ainda é necessário, pelo menos, para orientar a esposa, e tomar as decisões finais. Porque ele é que sabe o que é melhor. E porquê? Porque é homem.
Longo percurso que as mulheres ainda têm que percorrer para atingir a igualdade. A começar nelas próprias. Só consigo dizer, mais uma vez: assim estamos no século XXI.

6 comentários:

Rafael Stuart disse...

Aticem as brasas, acendam a fogueira, acho que temos uma herege para queimar....

Toda a gente sabe que o único chefe que existe ou é Deus ou Salazar.

Os outros podem ir mandar para as berlengas!

os reizinhos

Anônimo disse...

Adoravas ser homem, não adoravas?!?...

Anônimo disse...

Igualdade? mas igualdade de que?? Eu nao quero ser igual a eles, Deus me livre! O que quero é continuar a ter o meu papel enquanto mulher e esse papel defino-o Eu (tanto na sociedade como em casa pq cada uma assume a pessoa que é e difere dos outros nao em género mas em conviccoes e accoes. Um Homem que me ame e respeite reconhecerá que o meu papel nao é igual ao dele, Nunca, mas reconhecerá tb o valor de ser Mulher, de ser Mae, o meu valor. deixem a guerrilha social e conquistem os vossos lugares, eles sao pessoais e intrasmissiveis!

PP

R. disse...

Rafel Syuart: Salazar?? Tu não me provoques...

DK: É tão tua essa frase. E não, não adorava ser homem. Gosto demasiado de saias, vestidos e maquilhagem.

PP, whoever you are...: Igualdade em quê? Direitos, oportunidades e reconhecimento. Ou não sabes da situação actual da mulher no mundo? Talvez para ti - e para mim e, felizmente, para muitas das nossas amigas- nos baste saber qual o nosso papel, o nosso valor e actuar de acordo com isso para ter os direitos, oportunidades e reconhecimento de que falo.E, mesmo assim, não terás todos. Mas, infelizmente, somos uma minoria no que respeita ao género feminino. E enquanto este género de frases, conceitos e atitudes subsistirem, será dificil mudar o estado de coisas. Repara na linguagem que usas todos os dias, no uso do português. Isso chega para perceber os valores pelos quais se rege a sociedade em que vives. Tudo está no masculino. Não é por acaso.
E, se queres deixar a «guerrilha social», como dizes, e preocupares-te apenas contigo, e com o «teu papel», bom, lá saberás com o que consegues viver.
Mas cada um é, acima de tudo, livre de se expressar, pensar e opiniar como quer. E o contraditório será sempre benvindo neste blogue. Por isso, sê tu também benvinda, e continua a escrever.

Anônimo disse...

blablablablablablabla

Anônimo disse...

Pq é q nao vais para santa Combadao e fundas uma uniao feminina?!